Hábitos e Felicidade

Ser mais feliz é possível. É simples, até. Mas não é fácil.

Para ser mais feliz é preciso mudar algumas coisas na nossa vida.

Estar mais presente.

Ser mais grato.

Ser mais otimista.

Fazer mais atividades físicas.

Dormir melhor.

Meditar.

Mas, não adianta fazer uma caminhada. Ou meditar uma fez. Para qualquer impacto é necessário consistência.

Ou seja: criar novos hábitos.

Criar hábitos é o fundamento de qualquer mudança verdadeira. Por isso, muitos livros e autores respeitados têm estudado técnicas para a criação e transformação de hábitos.

Um deles, que eu li, gostei e recomendo é O Poder do Hábito, de Charles Duhigg.

Segundo Duhigg, hábitos são coisas que fazemos, inicialmente de maneira pensada, mas que se tornam tão naturais que passam a ser executadas automaticamente – como uma economia de esforço do cérebro.

Hábitos podem ser positivos ou negativos. Desejados ou indesejados. E, uma vez que se entende o mecanimos de formação de hábitos, você pode interferir e escolher que hábitos criar ou modificar, a seu favor.

O FUNCIONAMENTO DOS HÁBITOS

Segundo ele, os hábitos funcionam da seguinte forma:

GATILHO + ROTINA + RECOMPENSA = HÁBITO

Assim, se você deseja favorecer a criação de um hábito, tente identificar um gatilho, e se oferecer uma recompensa por ele.

Por exemplo: se deseja meditar, escolha um horário, ou um lugar, ou uma almofada, ou alguma coisa que sirva como um gatilho, um lembrete.
Se ofereça uma recompensa: pode ser um doce, uma xícara de chá, ou uns minutos de soneca depois. Ou mesmo a sensação de dever cumprido. Algo que funcione para você.

Vários aplicativos têm sido desenvolvidos para ajudar na formação de hábitos, com base nesta lógica – eles te enviam um alerta da hora que você programou para executar um determinado hábito, e mandam mensagens de incentivo depois. Ou aquela barrinhas de progresso, que também funcionam como recompensa para o cérebro. Digite “hábito” na appstore e virão várias sugestões destes aplicativos.

FORÇA DE VONTADE E RESILIÊNCIA

Segundo Duhigg, nossa vida é influenciada por centenas de hábitos, simples ou complexos. Mas, todos podem ser modificados.

Mas, essa mudança requer força de vontade. E resiliência.

É necessário querer mudar. É necessário acreditar na mudança. E insistir.

Duhigg ressalta a importância das redes sociais como suporte para as mudanças. Tanto as virtuais como as físicas. Este é, aliás, o fundamento para o sucesso de estratégias como as do AA e dos vigilantes do peso. Compartilhe seus objetivos com alguém. Celebre as vitórias. Discuta as dificuldades.

Shawn Achor, outro famoso estudioso da Psicologia Positiva, ensina outra estratégia simples de facilitar a adoção de novos hábitos. Ele a chama de a regra dos 20 segundos.

Faça com que um hábito desejável esteja 20 segundos mais rápido de ser executado. Ou que um mal hábito esteja 20 segundos mais difícil de ser iniciado.

A mudança de hábitos demanda força de vontade. E a força de vontade se esgota rapidamente. Então, faça com que a nova rotina seja um pouco mais fácil, ou que a rotina ruim esteja mais difícil.

Quer diminuir a quantidade de chocolate? Esconda o seu estoque em um lugar distante de onde você costuma comer. Quer chegar em casa e fazer uma caminhada? Deixe o tênis mais próximo.

Existem centenas de outra dicas bacanas para ajudar na mudança de hábitos. Aos poucos vou buscando outras. Mas queria acabar aqui com uma frase do Shawn Achor: