Dicas para começar a meditar

Imagem meditaçãoDepois de falar um pouco sobre as minhas dificuldades, resolvi compilar aqui algumas dicas de meditação que eu andei colecionando por aí e que me ajudaram muito. Além destas, que foram importantes para mim, nos links das matérias que mencionei no texto tem várias outras que podem ser igualmente úteis!

1 – POSIÇÃO: Escolha uma posição confortável: a posição mais indicada é sentado, em posição de lotus, com a coluna ereta. Mas, o mais importante, é encontrar uma posição confortável, como fala a Tara Brach, “o importante é respeitar o seu corpo, e fazer a sua prática sentado, em pé, andando ou deitado, em uma forma que equibre relaxamento e estado de alerta”, para que você não adormeça.

2 – ESCOLHA UM LUGAR CALMO: Principalmente para começar, procure um lugar calmo, sem distrações. Evite lugares muito barulhentos, ou em que você possa ser interrompido. Desligue o som do telefone. Se afaste das crianças. Se tudo isto for difícil, tente acordar um pouco mais cedo, ou meditar na hora de dormir, quando a casa está mais calma. Quando você estiver mais familiarizado com a prática você poderá meditar até no metrô, mas, para começar, tente facilitar a sua concentração, evitando interferências.

3 – RESPIRAÇÃO: Use a respiração como sua aliada, tanto para começar a se desligar, no início da prática, como para retomar a concentração quando perceber que se deixou levar por outros pensamentos no meio do exercício. Um truque que ajuda muito é contar a respiração, como sugere este guia do site Zen Habits: conte “1”ao inspirar, “2”ao expirar, e continue até chegar a 10, e recomece do 1. Caso algum pensamento te faça perder a contagem, não se incomode. Comece de novo de onde parou, ou volte ao “1”.

4 – BUSQUE AJUDA: Meditar não é difícil, mas é muito mais fácil de começar e muito mais provável de você ter sucesso se você tiver ajuda. De uma forma bem simples e direta, o Dan Harris, autor do livro “10% mais feliz”, sugere:

“Tem 4 formas que você pode usar [para a aprender a meditar]. Busque no google instruções básicas. Você pode comprar um app como o HeadSpace. Leia um livro – eu recomendo Real Happiness: The Power of Meditation ou você pode frequentar uma aula.”

 

5 – TENTE NÃO JULGAR A SUA EXPERIÊNCIA: É normal que em alguns dias, a mente pareça não concentrar nunca. Os pensamentos insistem em desviar a sua atenção, e você fica com aquela sensação de estar “falhando”. Não existe certo ou errado. Alguns mestres dizem que é justamente quando você se dá conta de que a mente está se distraindo que você está conseguindo fazer o fundamental da meditação: observar a mente se comportando em seu estado normal. Então, se você estiver se sentindo frustrado, respire fundo, e observe as sensações que esse sentimento de frustração provocam em seu corpo.

6 – MANTENHA UMA REGULARIDADE: a mente é como um músculo, e, de acordo com p monge Matthieu Ricard em seu livro A Arte de Meditar, é preferível meditar poucos minutos todos os dias, do que meditar ocasionalmente por um longo tempo. Ele compara a meditação com cuidar de uma planta:

“Para a planta crescer bem, você precisa molhá-la um pouco todos os dias. Se você jogar um balde de água uma vez por mês, ela provavelmente morrerá em um dos intervalos”

7 – NÃO SE PREOCUPE COM A DURAÇÃO: Ficar pensando em quanto tempo passou, ou quanto tempo falta vai tirar a sua concentração. Então, caso você não esteja em uma aula, ou usando uma meditação guiada, programe um alarme, de preferência suave, para lhe avisar quando o tempo que você programou meditar tiver acabado. Com o tempo e com a familiaridade, abandone o alarme. Medite pelo tempo em que você se sentir confortável, e, se estiver preocupado com o tempo, abra os olhos, veja as horas, e retome tranquilamente a prática.

8 – NÃO TENTE NÃO PENSAR: Quanto mais você tenta forçar os pensamentos a desaparecerem, mais você concentra a sua atenção neles e mais agitado você ficará. É o que Light Watkins chama de síndrome da “mente macaco” neste artigo: quando a mente fica pulando de pensamento em pensamento, descontroladamente. A dica dele é fazer exatamente o oposto: coloque-se em uma posição de espectador e observe os pensamentos. Tome consciência do que você está pensando, e aos poucos, volte o foco para a respiração, e eles aos poucos vão se acalmando.

9 – OBSERVE, OBSERVE, OBSERVE: Da mesma forma que o fundamento da meditação é observar algo: a respiração, seu corpo, um mantra ou uma idéia, comece a observar seus sentimentos, seus pensamentos e as suas reações no resto do seu dia. Você aos poucos perceberá que esse exercício se torna mais fácil e natural com a prática da meditação, e que a meditação começa a mudar essas reações. Você aos poucos se sentirá mais no comando das suas emoções, mais centrado e mais feliz!