A vida começa a mudar quando a gente acredita que ela pode mudar

Uma das maiores revoluções da minha vida aconteceu quando eu descobri, estudando a Psicologia Positiva, o conceito de neuroplasticidade.

A neurociência vem pesquisando e revelando que o cérebro humano é capaz de se modificar em qualquer fase da vida. Não só nos primeiros anos de vida, como se acreditava até então. Assunto fascinante a ser melhor explorado em outro momento.

Aí, cética que sou, comecei a dar ouvidos a coisas que até então, para mim, estavam no universo da auto-ajuda. Ou seja, coisas a serem desconsideradas. Bobagens.

Acredite no que você deseja, e esta coisa pode se realizar.

Pense diferente, e viverá diferente.

(Até consigo enxergar meu sorrisinho sarcástico ao ouvir coisas assim.)

Claro que estas são abordagens simplistas, mas, na essência, é por aí sim. E eu venho vivendo isto no meu dia-a-dia. E, nos últimos dois anos, ou um pouco mais, a minha vida mudou do avesso.

Medito com regularidade há mais de dois anos. E a mudança é palpável, brutal. Não só no meu modo de pensar e responder aos eventos, mas também nos meus filhos, marido e até em amigos. A gente muda e influencia o entorno.

Em função desta mudança, tomei algumas decisões que mudaram completamente o rumo da minha vida.

Saí do sedentarismo completo para uma rotina regular de corrida e musculação. Nesta semana corro meus primeiros 10 km.

Criei coragem e abandonei uma rotina que não tinha mais sentido para mim. E estou aos poucos construindo uma nova. Abandonei a certeza de ter um emprego fixo, uma renda fixa, em busca de uma experiência alternativa. Não tenho certeza de qual ela será, mas sei que o processo de descobrir está sendo muito mais recompensador, muito mais cheio de sentido.

Adotei algumas das práticas da psicologia positiva. Abandonei a crença que me acompanhava desde sempre de que era uma pessimista incurável, e que, o melhor que fazia era usar bem essa característica. Comecei a me forçar a um olhar mais otimista, e percebo os ganhos o tempo todo.

Comecei a rever os relacionamentos e prioridades, e, com isso, a reescrever a minha rotina. A consequência: comecei a me tornar uma pessoa diferente. Ainda me surpreendo muito ao ouvir as pessoas me descreverem como uma pessoa alegre, animada e extrovertida. É uma surpresa que me encanta, que me dá mais convicção de estar no caminho certo.

Mudei muitas prioridades. Passei a pensar mais no hoje do que no amanhã. Procuro celebrar a vida no dia-a-dia, nas pequenas coisas. Na farra com as crianças na hora de ir dormir. Em contar piadas no café da manhã. Em bolar um jantar especial. Em programar um fim de semana diferente.

Me tornei uma pessoa menos precavida. Até menos econômica. Venho viajando mais com a família. Realizando alguns sonhos.

Minha mudança foi completa? Não. Tem muita coisa ainda que não está como eu gostaria? Muita, mas muita mesmo. Mas, talvez, o maior sinal de que a mudança está acontecendo, é que eu não estou aqui agora fazendo um check list das pendências. Ao contrário, estou celebrando as conquistas. Celebrando a evolução que já aconteceu, e o fato de que, se estas já aconteceram, muito mais virá a acontecer.

Esta constatação somente, me dá a certeza de que o caminho está certo. Certamente ajustes precisam acontecer, mas o rumo é este. E ter esta certeza hoje já me faz sentir vitoriosa na minha trajetória.